Crônicas do Puntel

Abraham Lincoln e a regra básica da oratória


Saiba o segredo do presidente norte-americano conhecido até hoje pelos discursos que ficaram para a história

Luiz Puntel | ACidadeON/Ribeirao

Vamos pensar em uma cena imaginária, leitor amigo, leitora atenta? Imagine que você acaba de entrar na Casa Branca, nos Estados Unidos. Estamos no ano de 1864. Ao entrar em uma das salas, você vê um homem alto, muito alto, de 1m93. Magro, muito magro, você o reconhece pela barba. Não sabe que ele deixou a barba crescer a pedido de Grace Bedel, uma menina de onze anos, que lhe enviou uma carta, comentando que o rosto dele era muito magro e que ficaria muito bem se deixasse a barba crescer.  


Se você não sabe desse detalhe, pouco importa, porque sabe que está diante do 16º presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln. Sabe também que o agora presidente americano é conhecido por seus discursos, que ficaram na história. Aliás, foi um discurso que o catapultou a candidato dos Estados Unidos, quando, em 1860, na Faculdade Cooper Union para o Avanço da Ciência e Arte, em Nova York, disse a que veio. Se havia dúvida sobre ser ele o candidato escolhido pelos republicanos, naquela noite gelada de fevereiro de 1860, os mais de 1500 ouvintes à sua frente entenderam por que era seria o seu candidato.  


Você sabe que, anos antes, quando candidato ao Senado, o agora advogado, que fora lenhador, marcou o mundo da comunicação com um discurso que ficou conhecido como o Discurso da Casa Dividida. Nele, citando uma passagem bíblica, afirmou que, assim como uma casa dividida não subsiste, os Estados Unidos também não conseguiria sobreviver sendo dividido entre libertários e escravocratas. 

 Se estamos em 1864, você sabe que, em 1863, ele discursou no enterro de mais de sete mil soldados, mortos na batalha de Gettysburg. O orador principal, Edward Everett falou por duas horas, Lincoln falou apenas por pouco mais de dois minutos. São só 270 palavras, que até hoje muitos americanos sabem de cor e salteado.  


E, já que você sabe que ele é um orador que entusiasma os ouvintes com sua fala mansa, mas decidida, que tal pedir a ele um conselho? Que tal pedir qual a receita para se falar bem?  


Não estranhe se ele, olhando para você, abanar a cabeça e dizer uma frase que podemos traduzir imediatamente já que agora a tecnologia nos permite. Sabe qual a frase que ele está falando e você entendendo perfeitamente?  


"Acho que nunca serei suficiente velho para falar com desembaraço, se eu não tiver nada para dizer."  


Recado dado, voltemos à realidade. E, você, leitor, se quer falar com desembaraço, tem o que dizer?  


------------------

 

Puntel, lendo, com sua voz de taquara rachada, o Discurso de Gettysburg.


fonte:ACidadeOn

Faça download da crônica.

 

(16) 3623-6199

Av. Senador César Vergueiro, 590 - Jardim Irajá - Ribeirão Preto/SP